Através de fomento público pela Lei Aldir Blanc, coordenada pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado de Minas Gerais, pude lançar dez textos dramáticos meus para download gratuito. Diversos gêneros, diferentes propostas, apostando, também, na dramaturgia como literatura: teatro para ser lido. Sirvam-se! 

O QUEIJO_000.jpg

O QUEIJO - Uma comédia sórdida

"O Queijo - Uma Comédia Sórdida" apresenta quatro mulheres ante uma mesa de chá. E uma obsessão de uma delas: o queijo. A busca pelo laticínio dá, ao texto, quase um caráter policial. Que segredos essas mulheres escondem? Até que ponto sustentá-los? Aquilo é o retrato de suas vidas? Ou aquilo também é teatro? Teatro dentro do teatro? Sem o mínimo pudor aparente, Julliano Mendes transforma um simples chá semanal numa ação poética do mais doce apodrecimento humano.

Personagens: Barbra Shoey; Debra Walkmutt; Elizabeth Horcley; Gabriela Walkmutt; Sarah Freamaw

Formato: Ebook gratuito

NELSON RODRIGUES_000.jpg

NELSON RODRIGUES

Nesta tragédia familiar "Nelson Rodrigues" é um personagem totalmente ficcional. Ele é casado com Irene, e a filha deles se chama Canudo. Típica família brasileira? Típica família brasileira rodriguiana. Em cinco atos, essas personagens revelam podridões familiares inspiradas na obra do dramaturgo e da mais conservadora família brasileira. Estarão preparados para a honestidade? A honestidade radical?

Personagens: Canudo, Irene e Nelson Rodrigues

Formato: E-book gratuito

DELIRIOS DE WILL_000.jpg

DELÍRIOS DE WILL (ou como chupar os ossos de Shakespeare)

Se, para Oswald de Andrade, era preciso comer a cultura alheia, regurgitando-a, aqui, comer já não é suficiente. É necessário comer e chupar os ossos. Tupi and not tupi. Delírios de Will (ou como chupar os ossos de Shakespeare) apresenta oito personagens shakespereanas em novas relações dramáticas. O próprio Shakespeare é um personagem: Will, o bobo da corte, detentor da pena que dá a vida aos outros. "Somos feitos de pedra secular / ou de espada enfiada em pedra / que tudo que não pulsa se medra / pelo tempo mais lento a passar // Passa tempo parece que não / mas tudo muda sua condição // O que é já já deixa de ser / qual a diferença entre nascer e morrer?"

Personagens: Rei, Rainha Com Nome De Flor, Will, Hamlet, Ophélia, Macthelo, Ama Que Ama, Sinhá Margareth, Coros, Séquitos

Formato: E-book gratuito

12PONTO223B_000.jpg

12ponto223b

Esse texto dramático parte de um esquema de corrupção que se ramifica nos serviços públicos, nos escritórios de contabilidade e de advocacia, nas salas de reunião das grandes empresas, onde a partilha espúria do dinheiro público ganha vulto. O autor, Julliano Mendes, imaginou o coração administrativo deste esquema que condena mulheres e homens a tornarem-se, em diferentes medidas, escravos do poder. A peça, que transcorre numa última noite, apresenta as ambições de um jovem casal que decide ingressar no esquema. Mal sabem, coitados, que quem escolhe não são eles. É o esquema. O que você daria pelo exercício do poder? 12ponto233b vai surpreender você.

Formato: E-book gratuito

UMA NOVELA MASCULINA_000.jpg

UMA NOVELA MASCULINA

“Com quantos quilos de medo se faz uma tradição?” Tom Zé se pergunta em “Senhor cidadão”. De fato, estamos condicionados ao que recebemos como legado cultural? Às bonecas, vassourinhas, panelinhas dos presentes das meninas e aos carrinhos de controle remoto, soldadinhos de chumbo e arminhas dos meninos? Evidentemente, não. Há movimentos diversos combatendo o machismo estrutural na linguagem, nas relações, na cultura. Essa dicotomia das coisas de meninos e coisas de menina portanto, soa um tanto ultrapassada. Soa mesmo?

Uma Novela Masculina apresenta três relações: Heloísa e João; Carminha e Samantha (ou Carminha e Rogério); e Gisele, Alfredo e Ezequiel, jornalistas de uma redação. Encadeando-as, há uma novela dentro da Novela: “Pecados da Paixão”, em que Maria Eduarda e Ana Elisa, respectivamente mocinha e vilã, chegam às últimas consequências em busca do amor de Rafael Luz, o absorto galã. Nas cenas que se sobrepõem, no entanto, o texto se recusa a afirmar-se como um objeto político, porque, ao discutir a violência, ele propõe como paradigma para desencadeá-la, mais violência. Como se perguntasse: ‘no final, o oprimido adquire, por uma espécie de direito, a opção de oprimir?’

Personagens: Heloísa, João, Gisele, Alfredo, Ezequiel, Maria Eduarda (Novela), Ana Elisa (Novela), Rafael Luz (Novela), Samantha, Carminha, Kátia, Apresentador

Formato: E-book gratuito

HISTORIAS NAS PAREDES_000.jpg

HISTÓRIAS NAS PAREDES

O personagem principal deste texto é um casarão colonial da cidade de Ouro Preto, receptáculo físico das histórias de centenas de pessoas que residiram ali ao longo dos séculos, memória viva. Que traz, com o perdão da redundância, sua história impressa nas paredes. Símbolo maior da cidade que ostenta o maior conjunto arquitetônico barroco colonial do mundo.

O texto faz uma viagem ao longo de três séculos, colocando paralelas histórias de pessoas de épocas distintas, além de diálogos e cenas, elaborando a dramaturgia cruzada, técnica praticada pelo dramaturgo Julliano Mendes em vários de seus textos.

Personagens: 

Augusto, Lúcia, Maciel, Capangas de Augusto, Senhora Gorda I, Senhora Gorda II, Senhora Gorda III, Irene, Aluno I, Aluno II, Oficial de Justiça, Carregadores de piano, Angústia, Saudade, Rancor, Vingança, Desfaçatez, Outros alunos, Helena, Jair, filhos de Helena e Jair,

Pintor

Formato: E-book gratuito

EDVARDS E AS MORTES_000.jpg

EDVARDS E AS MORTES

Edvards é um homem comum que um dia se vê desafiado a tornar-se um assassino frio. Sua jornada de encontro à morte vai revelar não um, mas vários novos Edvards, duplos desse homem capaz de transformar-se em nome de uma função. Em 17 cenas, Julliano Mendes condiciona sua dramaturgia cruzada a uma história cheia de lirismo e força, inspirado pela Jornada do Herói e por outros personagens marcantes da dramaturgia ocidental. 

Personagens: Edvards, Ipsolônia, Salvatória, Edvards um, Edvards dois, Edvards três, Edvards quatro, Edvards cinco, Edvards seis, Creuza, Neuza, Rádio, Computador, TV, Morte, Coro dos encomendadores de alma, Semenda, Almofadinha 01, Almofadinha 02, Almofadinha 03, Almofadinha 04, Edvards que morreu

Formato: E-book gratuito

AMORES E DORES_000.jpg

AMORES E DORES NO PAÍS 

DAS FLORES

Hortelino, Aquele que Tem o Queixo Fino ama Diadorim, a filha do prefeito, que ama Romeu que também é amado por Hérmia, que é amada por Juvenal, que é cúmplice dos planos de Décio para roubar a fortuna de seu patrão, Joaquim José da Silva Xavier, que ama seu dinheiro que misteriosamente sumiu. Ninguém é de ninguém!Amores e Dores no País Flores adapta personagens clássicos da commedia dell'arte ao período colonial brasileiro, gerando o que o autor chama de Commedia Dell'art colonial brasileira.

Personagens: Décio, Juvenal, Joaquim José, Capitão Princa, Diadorim, Romeu do Romeu e Julieta do Galpão, Hérmia, Hortelino, Cavalo com C maiúsculo

Formato: E-book gratuito

UM HOMEM JOGADO NO SOFÁ_000.jpg

UM HOMEM JOGADO NO SOFÁ OU UMA MULHER QUE SAIU POR AQUELA PORTA

O casal de "Um homem jogado no sofá ou uma mulher que saiu por aquela porta" é uma dicotomia: para Edgar, o do sofá, o casamento é uma espécie de morte, como ouvi uma vez da boca de um padre e que aqui e ali dissemino na voz de meus personagens: você precisa morrer em coisas que deseja e acredita pra renascer no corpo de outra pessoa. Para Irene, da porta, o casamento foi uma limitação, uma restrição. Para além do corpo do marido, ela enxergou e deplorou a instituição. Se viu engendrada nos mecanismos intrínsecos ao padrão de relacionamentos repetido incessantemente pela sociedade, mesmo que cada vez mais se revele falido, construindo mais frustração que parceria. Para o espectador, que os observa, resta uma sensação que ambos estão presos à teia de uma aranha que lentamente os devora: a cultura. Essa cultura do amor, do casamento, da luta e da morte. Que já não importa o desejo. Tudo é limitação. Declaradamente fã de "Eu sei que vou te amar", de Arnaldo Jabor, Julliano Mendes constrói um texto poético, contemporâneo e popular.

Personagens: Irene, Edgar, Homem do vídeo, Mulher do vídeo

Formato: Ebook gratuito

CORAÇÃO DE PORCO_000.jpg

CORAÇÃO DE PORCO
(Édipo em 4 estações)

Em uma história entranhada na cultura, de que provavelmente o público habituado ao teatro já conheça os meandros, como se posiciona seu personagem título? Como um herói trágico ou como um refém do destino? Injustiça? Ou azar?

Sem ressalvas, Julliano Mendes o responde: azar. O mais azarado sobre a terra. Fizeram-no rei para que sua queda moral atingisse a todos. Cordeiro de deus. Um homem passivo frente a um destino caudaloso. Quando este homem decide agir, até sua reação já era planejada. Eis a falha trágica: a reação. Eis como o destino nos submete: tudo está escrito. Não existe improviso. Entre aquele menino salvo do infanticídio e este homem purgado pela ignorância, só se sustém, como símbolo, um imenso coração. De porco.

Coração de Porco é uma adaptação livre da tragédia de Sófocles. Mais uma. Confirmando a enorme pertinência deste texto secular. 

Personagens: Édipo, Jo, Casta, Tirésias, Esfinge, Servo, Mensageiro, Corifeia, Diversos coros

Formato: E-book gratuito

regua_secult+gov_de_minas+secretaria_esp